Café Filosófico: Foucault, Deleuze e Derrida frente à crise - Scarlett Marton

http://www.youtube.com/embed/mPBN2vYsOLI"; width="320" youtube-src-id="mPBN2vYsOLI"></iframe>" height="266" src="https://img1.blogblog.com/img/video_object.png" width="320" style="background-color: #b2b2b2; background-image: url('https://i.ytimg.com/vi/mPBN2vYsOLI/0.jpg');" />
A interpretação dos fatos através da desconstrução e reinterpretação da atualidade. Informação pode ser compreendida também conceitualizar e documentar. A filosofia conceituou sem falar de informação, mas o que fez foi criar conceitos documentados, isto é, informação. A informação como base do conhecimento filosófico é realidade dos primeiros pensadores da história da filosofia. 
As novas tecnologias são frutos do conhecimento, da transformação do pensamento, vivemos o espaço de outra forma, uma outra visão de sujeito, novas características, novos avatares, grupos próximos e ao mesmo tempo longe. Ligados na interpretação das coisas, na crítica das coisas, a transgressão "rebelde", independente, sem receitas, política como recriação.  Recriação só pode existir na crítica. Esses pensadores são os grandes críticos da modernidade. Pensadores "rebeldes" da herança e vieses de Nietzsche. Pensamentos que nos legaram a teoria e a prática pós-modernas.

Exibições: 13

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação para adicionar comentários!

Entrar em Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação

#Eval4Action

Siga-nos no Facebook!

© 2020   Criado por Marcia Joppert.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

a.next_photo_link img:hover {transform:scale(1.20);-ms-transform:scale(1.20);-o-transform:scale(1.20);-webkit-transform:scale(1.20);-moz-transform:scale(1.20); transform:scale(1.20);-webkit-transition:all 1s ease-out;-moz-transition:all 1s ease-out;transition:all 1s ease-out;-ms-transition:all 1s ease-out;-o-transition:all 1s ease-out;}