Aprenda a falar em público sobre a sua Avaliação!

O Discurso na Avaliação 

A palavra grega kerygma significa aquilo que é proclamado por um arauto ou proclamador público, uma proclamação por arauto.

A retórica é a arte de elaborar e apresentar o discurso. Disse Aristóteles em seu livro a Arte Retórica e Poética "Logo, se a elaboração do discurso pode existir sem preparativos com maior razão poderá existir – com a arte e cuidados”.

No grego clássico, a palavra homilos, significava falar a uma multidão e conquistá-la, daí o estudo do discurso chamado homilética ou a palavra de cunho religioso homilia.

Em avaliação o discurso é extremamente necessário. 

É muito importante saber o que você vai falar. Leia, pesquise, domine o assunto. 

Também é muito importante haver progressão de pensamento de maneira que o primeiro ponto conduza ao segundo e o segundo a um terceiro etc. Sondando o texto com perguntas encontraremos o assunto que deve dominar o discurso. O uso de perguntas como, por exemplo: 

  1. Que é avaliação?
  2. Por que avaliar?
  3. Como avaliar?
  4. Qual o resultado e o impacto da avaliação?

O quê ou quem, o por quê, o como e qual é o resultado.

Na introdução começa-se por exprimir logo de entrada o que se pretende dizer e apresentar-se a ideia geral. Pode-se começar na forma de conselho, fazendo referência com elogios ou reprovações, ou diretamente a questões que dizem respeito aos ouvintes de modo geral. Importa-se obter a atenção dos ouvintes para todas as partes do discurso  não só na introdução. Então sempre que se oferecer ocasião devemos nos dirigir aos ouvintes chamando a atenção deles à importância do que estamos dizendo e do que vamos fizer. Colabora bastante aprender a se relacionar com os ouvintes, saber que estão ali porque querem nos ouvir, que é essencial como se fala: não tente falar como se escreve, pois se perde a naturalidade. Enquanto o estilo escrito é mais exato o estilo das discussões é o mais dramático. Por exemplo, as frequentes repetições da mesma palavra são censuradas no discurso escrito, porém no discurso falado são meios da própria ação.

Não bastam que nossas palavras sejam intencionalmente coerentes, elas precisam ser estruturadas sobre a realidade, sobre a experiência, sobre algo que pode conectar o orador aos ouvintes, pois eles ouvem em geral o que previamente se identificam e de maneira inteiramente individual.

As divisões e a conclusão conduzem o discurso. As ilustrações devem ser usadas com cuidado, ajuda entender o discurso. Deve-se evitar ilustrações que precisam ser explicadas. Olhar e visualizar o público traz segurança ao ouvinte e aproximação. Nunca termine seu discurso sem conclusão,  na conclusão faça uma revisão de todo assunto tratado, algumas vezes levando à prática, a ação.

(Solicite uma aula sobre o assunto em gestaodaavaliacao@gmail.com prof. Márcio Ruben)

Exibições: 51

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação para adicionar comentários!

Entrar em Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação

#Eval4Action

Siga-nos no Facebook!

© 2021   Criado por Marcia Joppert.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

a.next_photo_link img:hover {transform:scale(1.20);-ms-transform:scale(1.20);-o-transform:scale(1.20);-webkit-transform:scale(1.20);-moz-transform:scale(1.20); transform:scale(1.20);-webkit-transition:all 1s ease-out;-moz-transition:all 1s ease-out;transition:all 1s ease-out;-ms-transition:all 1s ease-out;-o-transition:all 1s ease-out;}